A equipe EcoMauá foi campeã nas categorias gasolina e etanol e ficou em 5º lugar na categoria elétrica na Maratona Universitária da Eficiência Energética 2013, que aconteceu de 26 a 30 de agosto, no Kartódromo Ayrton Senna em Interlagos – São Paulo. Além disso, ganharam também o prêmio de melhor projeto com o carro elétrico “Dedo Português”!

Nessa atividade extracurricular, além da eficiência energética, questões como inovação tecnológica, segurança do piloto e impacto ambiental são determinantes para a avaliação das equipes, que desenvolvem desde a ideia inicial dos protótipos e do projeto até a construção. A Maratona Universitária da Eficiência Energética, é a principal competição em que a equipe Ecomauá participa e acontece uma vez por ano e é dividida em 3 modalidades:

– Gasolina e etanol: em cada uma delas vence a equipes que completa oito voltas no Kartódromo com o menor consumo de combustível, com velocidade média mínima de 24km/h;
– Elétrica: vence a equipe que completa oito voltas no Kartódromo com o menor consumo de energia elétrica fornecida por uma bateria, com velocidade média mínima de 15km/h.

Parabéns aos alunos e professores da equipe EcoMauá, pelo excelente resultado! 🙂

Faça parte dessa equipe!
Contato:
ecomaua@maua.br

Capriche na jogada e seja um finalista no combate de robôs reais que acontecerá no Mauá Hands On!

Tudo começa com um emocionante game de combate virtual de robôs, representado por mais de 30 de cartas com características como: velocidade, locomoção, arma, armadura e bateria.

Para competir, o jogador deverá escolher uma carta, julgar o melhor critério de desempenho do robô e iniciar a disputa. O objetivo do game é conquistar todas as cartas do adversário.

Cada um dos 4 mais bem classificados no ranking virtual formará equipe com colegas de sua escola e receberá representantes da Mauá que ensinarão como construir um robô poderoso para a disputa da Grande Final, em 21 de setembro,  dia do evento Mauá Hands On 2013.

Ainda não se inscreveu no game Combate de Robôs?

Confira o regulamento para dominar a arena com inteligência, estratégia e força bruta!

Boa sorte! 😉


O Programa Ciência sem Fronteiras é oferecido pelo governo federal com objetivo de promover o desenvolvimento científico e tecnológico por meio de intercâmbio de estudantes e pesquisadores em instituições estrangeiras de alto nível, nas áreas relacionadas às ciências exatas e biológicas.
Do Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia já foram contemplados pelo Programa 84 alunos.
Quer saber mais sobre a experiência desses alunos? Então confira a entrevista de  Danilo Massuela, aluno do curso de Engenharia de Alimentos. Danilo ficou 1 ano na Alemanha, estudando na Karlsruher Institut für Technologie pelo Ciência sem Fronteiras e contou um pouco das experiências que teve para o Blog da Mauá.

Blog da Mauá – Quais foram os pontos positivos por ter participado do Programa?
Danilo – Eu diria que o aprimoramento pessoal é sem dúvida o maior de todos em uma experiência desse gênero. Ter que se virar, morar sozinho e ter contato com estudantes de várias partes do mundo são aprendizados riquíssimos.
Os estudos na Universidade também foram algo nunca imaginado por mim antes de ir para lá; a didática de ensino, sistema de estudos e de provas são totalmente diferentes dos nossos, algo que trouxe alguma dificuldade no início, mas depois agregou como uma experiência bacana.

Blog da Mauá – O que agregou pessoal e profissionalmente ter estudado numa universidade estrangeira?
Danilo – Na parte pessoal a vivência e a convivência, a experiência de morar, estudar, trabalhar, passear com pessoas de outras nacionalidades é uma experiência por si só fantástica, aprender a lidar e respeitar diferenças culturais, aprender a debater, saber ouvir opiniões diversas e impor minha própria opinião. Além, é claro, de aprender a me virar sozinho, toda experiência do dia a dia que é muito rica e para a qual muitas vezes não damos muito valor.
Na parte profissional, o aprendizado de uma nova língua, no caso, o alemão, é de grande valia para meu currículo, além de ter tido a oportunidade de praticar também o inglês, com outros alunos intercambistas. Tive também uma experiência de estágio, realizado na área de pesquisa num instituto da universidade, em que pude vivenciar um ambiente de trabalho, com colegas de várias nacionalidades e tratar com responsabilidades e prazos.

Blog da Mauá – Quais foram os diferenciais que o programa agregou para sua formação?
Danilo –
Primeiramente a evolução pessoal. Voltei com uma cabeça muito diferente, observando coisas em que nunca prestei atenção. Ter morado um ano na Europa me ajudou muito a construir e consolidar meu caráter, seja pelo aprendizado a partir de exemplos ou por estar em contato com muita coisa nova.

Blog da Mauá – Como o aprendizado que você adquiriu na Mauá ajudou você a acompanhar as atividades propostas na universidade alemã?
Danilo – Por ter concluído a 4.ª série e ter iniciado a 5.ª na Mauá, eu já possuía boa base para os estudos que realizei na Alemanha. Acredito que participar do Programa nos últimos anos de graduação me permitiu optar por matérias mais específicas e diferenciadas, pois a base é igual no mundo inteiro.

Blog da Mauá – O que você achou de diferente na universidade alemã e como foi a convivência com colegas de outros países?
Danilo – O sistema educacional deles é bem diferente do Brasil. Desde crianças já devem decidir e tomar o rumo do que cursar na universidade. Como a formação nas universidades é muito mais teórica, demanda uma maior carga de estudos e dedicação fora da sala de aula.
Outra diferença é que a grande maioria das universidades alemãs é pública, possui fortes laços com a pesquisa e fomenta muito atividades extracurriculares. O interessante é que o aluno pode ir montando seu currículo escolar durante seu tempo na universidade, podendo cursar matérias de áreas diferentes da de sua formação.

Blog da Mauá – Você acha que ter participado do programa trará uma boa visibilidade para o Mercado de Trabalho?
Danilo – Muito. Além do aprendizado de um idioma novo, as empresas valorizam muito experiências de intercâmbio. Além disso, ter parte de sua graduação concluída em uma universidade estrangeira de grande prestígio pode agregar valor ao currículo.

Blog da Mauá – Você recomenda a participação no programa para os alunos que estão pensando em se inscrever para as próximas chamadas? Por quê?
Danilo – Recomendo, pois, além de ser um dos melhores anos de sua vida o aluno aprenderá muito com as mais diversas situações que irá enfrentar. Uma experiência de estudar numa universidade estrangeira  é riquíssima. Minha recomendação é que jamais desistam de tentar, independente de nível de conhecimento do idioma, devem se esforçar ao máximo para estudar nesse período. O aprendizado adquirido é imensurável.


A decisão de abrir um negócio não é fácil. É preciso tomar decisões muito importantes e abrir mão de algumas coisas em busca de um objetivo.
E foi isso que fez o Ex-Aluno de Administração da Mauá, Sidney Rogerio. Após trabalhar em empresas renomadas como Varig, Gol, Deloitte e AON e ter uma experiência internacional no Canadá, em 2009, Sidney resolveu abrir, com sua mãe, o próprio negócio na área de estética. Confira as experiências que Sidney  contou para o Blog da Mauá.

Blog da Mauá – Comente sobre o trabalho que você realiza atualmente.
Sidney –
Após sair da Aon, no final de 2011, empresa na qual trabalhei na área comercial e consegui desenvolver uma boa visão de negócios, iniciei alguns projetos como empreendedor.  Hoje, estou atuando com a Bonapele Estética, rede de clínicas de estética, na qual sou o diretor, que conta com 3 unidades. A ideia é em breve franquear a marca e expandir para todo o estado de São Paulo. Também trabalho com a Lega Log, empresa de advocacia de apoio, em que sou desenvolvedor de novos negócios e diretor financeiro, e com a SAW Negócios Inteligentes, consultoria empresarial,  na qual atuo como consultor em projetos. Além disso, estou sempre atento a novas oportunidades de negócio na medida em que os negócios dos quais participo vão se desenvolvendo e estruturando.

Blog da Mauá – Como o aprendizado que você adquiriu na Mauá o ajudou em sua trajetória?
Sidney –
O curso e os professores da Mauá foram fundamentais no meu desenvolvimento como empreendedor. Além de projetos relacionados a esse assunto, o discurso dos professores sempre foi voltado para o empreendedorismo. Outro ponto importante foi o contato com vários colegas de turma que na época já possuíam empresas familiares.

Blog da Mauá – Você acha que ser formado em Administração na Mauá traz uma boa visibilidade para o Mercado de Trabalho?
Sidney – Com certeza. A Mauá é muito reconhecida. Temos uma excelente visibilidade no mercado de trabalho.

Blog da Mauá – Você recomenda o curso de Administração da Mauá para os estudantes de Ensino Médio, que estão pensando em prestar Vestibular? Por quê?
Sidney – Eu recomendo a Mauá, pois é uma instituição de ensino com uma estrutura excelente de estudos e com o foco diferenciado para o empreendedorismo. Mesmo que o aluno não queira abrir uma empresa, o empreendedorismo corporativo (empreender em grandes empresas) é visto como grande diferencial no mercado.

A Mauá deseja muito sucesso em sua carreira e no desenvolvimento de seus projetos, Sidney! 🙂