Atualmente, muitas questões estão sendo analisadas e discutidas sobre construção e conservação de estruturas, devido aos recentes desabamentos de edifícios no Brasil.
Para tentar esclarecer algumas dessas dúvidas e entender um pouco sobre esse assunto, conversamos com a Professora Cássia Silveira de Assis, Coordenadora da Engenharia Civil da Mauá.

– Como deve ser feita a conservação da estrutura de um prédio?

O processo de conservação dos prédios engloba diversos aspectos de manutenção preventiva. A primeira ideia é perceber que o processo é dinâmico, exige inspeção periódica com intervalos de tempo de curta duração, ou seja, a cada um ou dois meses o síndico ou a pessoa responsável deve percorrer o edifício, no sentido de cima para baixo, e fazer uma verificação de vários itens:

  • Verificar se não há infiltrações a partir da cobertura, lajes, reservatórios, tubulações com vazamento, etc.;
  • Verificar se não há descolamento de revestimentos internos e externos, incluindo pisos e azulejos;
  • Verificar a existência de fissuras (trincas) em paredes, lajes, vigas e pilares;
  • Verificar as fissuras mais perigosas – elas são verticais, horizontais e trincas a 45°;
  • Fissuras denunciam a presença de problemas que podem ir do menos perigoso ao mais perigoso. As fissuras também permitem a degradação dos materiais e das estruturas num espaço curto de tempo;

– Quais cuidados devemos ter com a estrutura de um prédio?

  • Ficar atento às reformas que os vizinhos estão fazendo, procurar saber se há profissional habilitado acompanhando os serviços;
  • Não retirar paredes e nem construir paredes sem antes consultar um engenheiro;
  • Não furar vigas, lajes e pilares;
  • Não usar um cômodo de depósito; cada tipo de edifício possui a sua sobrecarga específica prevista em cálculo e em normas técnicas;
  • Não aceitar orientações ou sugestões de pessoas que não sejam profissionais qualificados como os engenheiros.

– Quais fatores podem contribuir para uma queda de laje ou desabamento de um prédio?

Como temos visto em jornais, o que provoca o colapso de uma estrutura costuma ser uma junção de fatores, podemos ter uma superposição de pequenos fatores que podem provocar um grande desastre.

Um dos problemas recorrentes está associado ao uso indevido das edificações; um ambiente projetado para ser usado de uma forma é usado de outra. Por exemplo: uma sala é projetada como sala de estar para pessoas e depois é usada como arquivo morto de uma empresa; como as pessoas são muito mais leves que livros e papéis, a laje ficará sobrecarregada com o novo uso.

Outro exemplo, que costumo apresentar aos alunos, é a adaptação de uma sala qualquer em espaço para ginástica com saltos ou outro tipo de atividade que, por vibração, pode induzir esforços não previstos em projeto. Houve um episódio, anos atrás, em que a laje ruiu durante uma festa de casamento, com as pessoas dançando e pulando. Se a laje estiver no limite do projeto, qualquer uso indevido pode ser fatal.

– Quais são os meios de evitar um desabamento?

Em primeiro lugar, construir o que foi projetado, não modificar o projeto sem consultar o projetista. Tendo intenção de alterar o uso do edifício ou de determinados ambientes, deve-se consultar um engenheiro. Um profissional não especializado não tem condição de avaliar tecnicamente os possíveis problemas.

Ter extremo cuidado com as infiltrações, elas agem como infecções que minam lentamente o organismo do edifício e produzem um processo semelhante à osteoporose nos ossos.

As estruturas envelhecem e devem receber atenção, podem ser tratadas e em geral recuperadas, mas, em último caso, devem ser demolidas antes que desabem e provoquem um desastre.

Um exemplo está sendo seguido nos estádios de futebol:há alguns anos as torcidas eram disciplinadas como as torcidas de tênis, hoje as torcidas correm e pulam nas arquibancadas, houve desabamentos e agora alguns estádios foram demolidos para serem reconstruídos com outras características de projeto.

 

Veja também a entrevista que o Prof. Márcio Estefano, da Engenharia Civil da Mauá, concedeu para o Jornal Nacional analisando a planta de um prédio do Grande ABC que teve parte do prédio comprometido com um desabamento parcial.

2 comentários para “Dúvidas sobre conservação de prédios”

Quer exibir sua foto? É fácil, basta cadastrar no site Gravatar o e-mail utilizado para fazer os comentários.
renata

10 de abril de 2012 ás 13:32

POR FAVOR NO MEU PRÉDIO HOUVE UMA REFORMA A + OU – UM ANO NA ESCADARIA PARA PASSAR FIOS E LIGAR A ENERGIA NA MESMA, OS PEDREIROS BATERAM TANTO NAS PAREDES QUE ABRIU UM BURACO NA PAREDE DA MINHA SALA, DEPOIS DISSO COMEÇOU APARECER RACHADURAS QUE SOBE PELA PAREDE QUE ABRIU O BURACO E CORRE PELA LAGE, ESTA TODA RACHADA COMO UMA RAIZ DE PLANTA, E ESTÃO ABRINDO, O QUE DEVO FAZER, ESTOU COM MEDO? ME ORIENTA POR FAVOR?

ATT,
RENATA

    13 de abril de 2012 ás 11:18

    Renata, o melhor a fazer é procurar uma Empresa de Construção Civil com engenheiro responsável e pedir uma avaliação, se o problema for de segurança você precisa entrar em contato com o Depto. de Obras da Prefeitura ou com o CREA para fazer uma queixa.

Deixe um comentário