Quando se busca um curso de Graduação, é comum o interesse em conhecer melhor os cursos, obter informações e conversar com pessoas que já são formadas, não é mesmo?

Para ajudar em algumas dessas questões, fizemos uma breve entrevista com o Mikail Cestari, formado em Administração pela Mauá em 2010.

No período em que cursava Administração na Mauá, Mikail sempre foi muito atuante, fez parte da Mauá Jr., empresa júnior que presta serviços de consultoria na área de Administração, e participava pela Mauá em eventos de colégios de ensino médio, ajudando a esclarecer as dúvidas dos alunos.

Atualmente, Mikail é trainee na área comercial da empresa Votorantim e pretende em breve cursar um MBA nessa área.

Blog da Mauá: Como foi cursar Administração na Mauá?

MC: Cursar Administração na Mauá foi o fator crítico de sucesso para minha carreira até o momento. O nome da Instituição somado ao ensino de qualidade, promove um resultado de alta performance.

A proximidade com os professores é, sem dúvida, um fator diferencial da Mauá. Ter contato com professores atuantes no mercado de trabalho traz a realidade prática para as aulas teóricas, além de construir relacionamentos que se estendem entre professores e alunos.

Blog da Mauá: Como foi participar da Mauá Jr.

MC: A participação na empresa júnior foi também um ponto chave em minha passagem pela Instituição. Tal experiência me forneceu os conhecimentos básicos e iniciais para ingressar no mercado de trabalho de maneira diferenciada, além dos contatos e parcerias estabelecidos nesse período.

Blog da Mauá: O que você espera para sua carreira?

MC: Continuarei buscando posições de destaque no mercado de trabalho. Para isso, é necessário  conhecimento e estar sempre atualizado com o que ocorre no Brasil e no mundo, portanto, continuarei unindo a teoria à prática para que, assim, possa conquistar cargos estratégicos no mercado.

Blog da Mauá: Que mensagem você deixa a quem quer cursar Administração na Mauá?

MC: O curso de Administração da Mauá fornece todas as ferramentas necessárias para a formação de uma profissional diferenciado. Cabe a cada um aproveitar as oportunidades e utilizar os conhecimentos para potencializar seu desempenho.

 

Obrigada Mikail!

Sucesso! 😉

Conheça mais sobre o curso de Administração

 

Confira os alunos ganhadores do #Sorteio Velozes e Curiosos para acompanhar a realização do teste Folha-Mauá na pista de testes da TRW em Limeira.

 

@caesarnunes

@jpcarvas

@LukeeAlmeida

 

Os ganhadores deverão informar pelo email comunicacao@maua.br, até 31 de maio, o nome completo do acompanhante, idade, RG e CPF.

O teste será realizado em 04/06 (sábado).

Após o recebimento dos dados referentes ao acompanhante, enviaremos um email informando o horário e o local (no campus de São Caetano do Sul) de saída do ônibus para transporte até a pista de testes.

 

Parabéns aos ganhadores!! 🙂

 

Já tratamos anteriormente dos diversos tipos de reatores nucleares e seu funcionamento. Vamos apresentar agora algumas alternativas para geração de eletricidade que também não emitem Gases de Efeito Estufa (GEE).

Entre essas alternativas estão a utilização de fontes renováveis, tais como hídrica, eólica e solar, que são cada vez mais utilizadas por diversos países, como Alemanha, Espanha, Estados Unidos e China.

As duas primeiras, hídrica e eólica, apresentam custos competitivos, com grande vantagem para as usinas hidrelétricas. O número de instalações de energia eólica tem apresentado uma significativa expansão e o seu custo vem decrescendo ano após ano.

Entretanto, não são todos os lugares que dispõem de recursos hídricos, ventos e incidência de radiação solar suficientes para a geração competitiva de energia elétrica.

Uma provável consequência do acidente em Fukushima será um aumento nos custos de instalação e operação das usinas nucleares futuras, devido a medidas de segurança extras, que deverão ser exigidas. Nesse caso, aumentará a competitividade das fontes renováveis.

O Brasil tem uma geração de eletricidade baseada em grande proporção nos recursos hídricos, pois 77% da nossa eletricidade é produzida em usinas hidrelétricas. De acordo com os planos para a expansão da geração de energia elétrica, a produção brasileira, predominantemente hidrelétrica, precisará em breve de uma complementação de base térmica e/ou nuclear. Alguns críticos alegam, no entanto, que um programa mais amplo, e com um apoio governamental maior do que existe atualmente, para energia eólica e pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) poderia ser a solução.

A geração de energia elétrica por reatores nucleares, embora atenda a necessidade de eletricidade nos países desenvolvidos e garanta o progresso econômico e social nos países em desenvolvimento, envolve riscos e deve continuar a ser debatida. Isso deverá ser feito de uma forma ampla e aberta para que a sociedade, conscientemente, determine quais riscos estará correndo.

Roberto de Aguiar Peixoto
Eng. Naval, Mestre e Doutor em Engenharia Mecânica
Pró-Reitor Acadêmico do Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia
Membro indicado pelo Governo Brasileiro ao Painel de Avaliação Tecnológica e Econômica do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente para implementação do Protocolo de Montreal e do Comitê Editorial do Banco de Dados de Fatores de Emissão do IPCC – Intergovernamental Panel on Climate Change
06
maio

Baja Mauá

O Baja SAE Brasil – Petrobras é o maior evento automobilístico acadêmico do País, no qual concorrem as mais renomadas instituições de ensino nacionais. Os participantes devem trabalhar em equipe para projetar, construir, testar, promover e competir com um veículo off-road de estrutura tubular em aço, monoposto, com quatro ou mais rodas, capaz de transportar pessoas com até 1,90m de altura e pesando até 113,4 kg.

Na competição de 2011,realizada em Piracicaba, a Mauá participou com duas equipes, Baja Mauá 1 e Baja Mauá 2.

O aluno Gustavo Cherem, capitão da equipe Baja Mauá 1, comentou os resultados “Nessa competição ambos os carros apresentaram problemas, mas as equipes estão empenhadas em buscar melhorias e trabalhando duro para a próxima competição”.

Os alunos interessados em participar dessa atividade extracurricular passam por um processo seletivo realizado pelos próprios integrantes das equipes.

Se você quiser conhecer mais o projeto ou falar com um dos integrantes, visite a oficina do Baja no Bloco A04

Assista ao vídeo da participação da Mauá no Baja SAE Brasil – Petrobras 2011.

 

Conheça outras atividades extracurriculares da Mauá.